Regulamento

Faça download do regulamento do Grupo 2

Acadêmicos de São Jorge

Enredo 2018: Ifé… Terra Sagrada dos Deuses, Berço da Civilização Iorubá
Presidente: Cláudio Rogério Firmino
Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Jessica Castro e Carlos Castro
Carnavalesco: Robson Silva
Diretor de Harmonia: Comissão de Harmonia: Airton/Nena/Douglas
Mestre de bateria: Mestre Jonas
Puxador: Ala Musical

Samba de Enredo
Compositores: Dom Marcos e Diego Falanga

É Orum
Que ilumina a imensidão
As águas, o caminho
O poder da criação
Odudwá…
A terra! O esplendor
Surge Ifé, na tradição Nagô

E vem com toda fé,
Com muito axé… Vila Sabrina!
No coração de Daomé
Mostra a sagração divina

Herança Iorubá
É o cantar trazendo força e energia
Da Nigéria, o despertar
A arte e a magia
Bem na Luz de Olorum
O orgulho corre nas veias
Contra o terrível preconceito, na luta por seus direitos
Hoje a nossa escola incendeia

Aruanda ê… Aruanda á…
Que a lua de Luanda ilumine meu cantar

São Jorge na força de Obatalá
Traz Ifé terra sagrada
Dos nossos orixás

Acadêmicos do Ipiranga

Enredo 2018: No Tijuco o canto da riqueza
Presidente: Patricia Waleska
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco: Pedrinho Pinotti
Diretor de Bateria: Mestre Julhão
Puxador: Carlitos

Samba de Enredo
Compositores: Rodrigo Bola, Carlinhos Barbosa e Michel

O meu quilombo está em festa
Sou Acadêmicos do Ipiranga eu sou
A raça e a cultura de um povo feliz
Sou negro eu sou raiz

Saudade de uma África distante
O navio negreiro a navegar
O negro sudânes e o negro bantú
Misturando o seu pranto
Com as águas deste mar
Uma nova era então brilhou
E quando aqui chegou viu traçada sua sina
Tijuco terra das minas de ouro
Esse tesouro que hoje é Diamantina

Ai senhê, ai senhê, Du Imbandá
Fura buraquim senhê
Feitiços, crendices o boi Gerôa
A dança de Cangerê

Vissungo vinha em forma de lamento
Seu canto lento ainda ecoa pelo ar
Na chibata a dor do açoite
Guerreiros seguem firme a labutar
Pedras preciosas incrustadas pelo chão
Arco-iris cores, lindas cores, fascinação
Do sofrimento um sorriso de felicidade
A tão sonhada liberdade

Boêmios da Vila

Enredo 2018: Da natureza ao Carnval. Tudo se recria, nada se perde. Tudo se transforma até em fantasia.
Presidente: Adilson da Silva
Mestre de Bateria: Mestre Lula
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco:
Puxador:

Samba de Enredo
Compositores: Dom Marcos e Diego Falanga

Sou Boêmios da Vila num só coração
O meu manto sagrado é meu pavilhão
Vou transformando a alegria é geral
Recriando nosso carnaval!

Oh mãe natureza
Sua grandeza faz a vida se banhar
Na química a certeza da metamorfose mergulhar
A arte veio então modernizar
O folclore alastrou a cultura popular
Lendas e mitos contos e ritos
Quantas cantorias ao luar
Nas brincadeiras danças festeiras
Lindo povo a brincar

Muiraquitã, que a bela Índia ofertou
Da pedra um amuleto ao seu amor
Sua beleza brilha nas estrelas
Em lua prateada se tornou

E seguindo esse caminho
O homem o calendário então criou
Entre datas e festas o tempo organizou
Uma nova era se anuncia
E faz a vida se modificar
É o mito da ave lendária que renasce das cinzas
A perpetuar como a borboleta se transforma
Na vida eu tenho jongo pra dançar

Vai meu samba sempre a lutar
Filhos de Momo faz meu povo se alegrar
Vou transformar, deixa rolar, nessa folia
Nossa escola vai passar

Flor da Vila Dalila

Enredo 2018: A divina arte de se comunicar
Presidente: Hudson Pinheiro dos Santos
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco: Mauro Xuxa
Mestre de Bateria: Atocha
Intérprete: William Dantas

Samba de Enredo
Compositores: Elvis Borges de Sousa, Francisco Assis de Prado e Roberto Soares de Jesus

Eu gosto assim, quando tem alegria
A Flor da Vila faz pulsar meu coração
Alô comunidade
Samba, batucada e pé no chão

É divinal, belas pinturas que o tempo não apagou
Primitiva comunicação
Ecoa forte o som do meu tambor
E assim, com o avanço da civilização
A escrita em poesia, num pedaço de papel
No reinado da folia, o rei mandou a tristeza pra lá
Uma esperança flutuou nas ondas do mar
Voa mensageiro e leva a paz
Anunciando um novo dia

Extra… Extra no jornal… meu pavilhão
A Dalila é cultura… Opinião
Hoje a festa é do povo
Vai ter ziriguidum de novo

Flor de Liz

Enredo 2018: Viagem Pitoresca de um Rei da Terra do Mandacaru
Presidente: Rodisley Pereira de Oliveira
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco:
Mestre de Bateria: Tubarão
Puxador: Daniel Collete

Samba de Enredo
Compositores: Daniel Collete, Carioca do Tatuapé e Diego Nascimento

Hoje vou sambar, vou forrozear
Eu sou o rei nessa noite de alegria
Do Mandacaru eu mandei buscar
A Flor mais linda, o meu par nessa folia

Penei, mas aqui cheguei
Na minha bagagem muita história pra contar
Lá no meu nordeste religiosidade
Romarias de verdade
A fé no santo faz curar
Eu vi cultura, tradições
Um folclore arretado alegrando os sertões

Aê, aê… Lá vou eu
É chuva, é sol e a fé em Deus
Em busca da felicidade
Trago na mala um pouco de saudade

Desembarquei aqui, me assustei com o que vi
Ô santo pai que grande grandiosidade
Quase não vejo o chão,
Só vejo construção,
Gente correndo por toda parte.
Cidade que nunca pára
É jóia rara, coração nacional
Rica em arte, cultura
O povo faz a festa, é Carnaval
Lindo visual, uma constelação,
Mas é hora de voltar pro meu sertão
Viver os reis e suas coroas
Doce lembrança do meu agreste
Sou um vencedor, sou cabra da peste

Império Lapeano

Enredo 2018: A Império pediu, a Liga da Justiça se uniu
Presidente: Luiza Fonseca
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco:
Mestre de Bateria: Tipão
Intérprete: Birinha do Dendê

Samba de Enredo
Compositores: Erick, Jefferson, Maurinho de Jesus e Alexandre

Quem nunca sonhou em ser um super herói
Defender o universo
Império Lapeano pediu

E de repente a humanidade conheceu
Um inimigo que veio para destruir
Escravisava e absorvia a energia
A todos transformava em zumbi
Um grito imperiano ecoou
E o Superman surgiu para nos salvar
Batalhas com vilão ele travou
Que resistiu e não quis se entregar

Chama a legião que faz o bem
E vem você também vencer o mal
Acreditar na união é ideal

O caçador com seu poder de transmutação
Telepatia feito Aquaman
Flash mais veloz que a luz
O homem morcego
Lanterna verde, mulher maravilha
Tem muito mais no nosso Carnaval
Vamos em busca da vitória
Celebrar a paz mundial

Primeira da Cidade Líder

Enredo 2018: O Milagre do Sertão
Presidente: Mario Alves Lucas
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco: Comissão de Carnaval
Diretor de Harmonia: Neto Reis e Edegar Cirillo
Mestre de Bateria: Alexandre Jr.
Puxadores: Regis Swing e Clayton Reis

Samba de Enredo
Compositores: Vitor Gabriel, Gui Cruz, Rodrigo Minuetto, Rodolfo Minuetto, Portuga e André Ricardo

O sol queimando o chão do meu sertão
Confesso, marejou o meu olhar
E quando olhei a terra ardendo,
Pedi: – Oh Deus do Céu, derrame a salvação
Triste vida Severina, no suor da minha lida
Sertanejo, homem forte,
Que resiste a própria sorte
Pra vencer nesse mundão

Vixe Maria! “Oia” lá no céu…
O milagre aconteceu, começou o “chuvarel”
Mandacaru floresceu pra colorir o cerrado
Nesse solo abençoado

A vida brota entre as veias deste chão
Renasce a plantação
Vai a revoada pelo ar,
A água leva o sofrimento do lugar…
É a natureza, um relicário sem igual
Oh Padim Ciço abençoe os filhos do sertão
Que agradecem à São Pedro e São João

Sou cabra da peste, filho do nordeste
Cidade Líder, eu sou!
Lá vem a Primeira, levantando poeira
Sim, senhor!

Prova de Fogo

Enredo 2018: Prova de Fogo canta Chiquinha Gonzaga. A matriarca da música popular brasileira
Presidente: T. Kaçula
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco: Armando Barbosa
Mestre de Bateria: Mestre Paulino
Puxadores:

Samba de Enredo
Compositores: Douglas Chocolate, Tio Do e Paulinho

Força da nossa raça Mulher de galhardia
Tem a pureza iguais às suas harmonias aura brilhante que reluz em poesias
Venceu batalhas pelo povo “abolição” não se entregou se apegou a sua fé
Em seu piano defendeu seus ideais nos musicais, nos carnavais
A sua estrela angelical se fez brilhar
A “lua branca” alumia a passarela tão “atraente” faz o povo delirar
Batuca aí batuqueiro Batuca aí e não deixe o samba cair
A frente do seu tempo exemplo para o mundo Pioneira marcou uma geração
Corajosa, decidida viveu com mestria genial tem a nobreza pela causa social
Rainha de Marias dessa pátria mãe gentil Chiquinha Gonzaga do Brasil
Ao som das melodias vamos viajar é carnaval a alegria está no ar
O “abre-alas” minha escola vai passar Prova de Fogo mostra samba no pé
Ao bailar do pavilhão encanta a multidão
Comunidade canta forte em oração

União Imperial

Enredo 2018: Um voo anunciador… A separação eterna do dia e da noite
Presidente: Maria Cristina José da Silva
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco:
Mestre de Bateria: Mestre Divino e Mestre Fellippo
Puxadores: Luizinho Intérprete e Mestre Fellippo

Samba de Enredo
Compositores: Luizinho Intérprete e Jô Pires

A batucada de novo
Levantando o povo já é Carnaval
Num voo anunciando
Porque chegou a Imperial

Tão bonita e cheia de alegria
Falando que a noite não existia
A brihar somente o sol
Imaginava o luar
Corria um tititi
Boiúna guardava o segredo
No Tucumã a noite foi morar
Surgindo a lenda Carajás

Ôô Oô Ôô… Aruanã com Tiluã casou
Não ouviu o Jaraqui
Na fogueira foi abrir
O Tucumã
E a noite libertou

Escuridão e trevas se formaram
A Índia perdoou o seu amor
Criando assim a noite e o dia
O sol se põe e a lua vem brilhar
Voa voa Cajubi, espalhando por aí
Anunciando a luz
Divina luz que nos conduz

União Independente da Zona Sul

Enredo 2018: Uma Noite de Halloween
Presidente: Tatiana Gonçalves de Moraes
Mestre-Sala e Porta-Bandeira:
Carnavalesco: Edenilson Peixoto
Mestre de Bateria: Leandro Luis
Puxadores: Tuca Maia

Samba de Enredo
Compositores: Nando do Cavaco, Rodrigo Atração, Sonia Galvão, Ricardinho, Leandro Batas e Tuca Maia

Abrem-se as portas do além
A lua cheia vem anunciar
Que a morte ganha vida
Tem fantasma e lobisomem assombrando essa avenida
Acenda vela para fugir da escuridão
Não tenha medo me dê a mão
E se um barulho escutar… é sempre uma alma penada a vagar

(Vem ver… vem ver)
Tem bruxaria vem ver, vem ver
O caldeirão ferver… ferver
Num “pam demônios” de arrepiar
Jason e Fred Gruguer quero ver sambar…

Sucesso de bilheterias, foi “pânico geral”
Palhaços assassinos que agonia!
Medo jamais visto igual
Zumbis, pra lá e pra cá
E vampiros querendo te sugar
Gostosuras ou travessuras… é só escolher
Doce sensação, suspense, emoção
Pra valer!

Meu samba toca o terror (ô ô ô)
Nessa noite de Halloween
Da zona Sul… olha só quem chegou…
A União o meu amor sem fim

Unidos de São Lucas

Enredo 2018:  Da Vila de Paranapiacaba ao polo petroquímico. Santo André engrenagem do samba!
Presidente: Maristela Freitas do Amaral
Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Erick Sorriso e Osmar Fontes
Carnavalesco:
Mestre de Bateria: Rivail (Mestre Riva)
Puxadores: Cayã Camargo Miranda (Cacá Camargo)

Samba de Enredo
Compositores: Cacá Camargo, Edson Jr., Digão Lima, Marcos Thiago, Whil Melodia, Raphael Maslionis

Chegou Zona Leste, o chão estremece
São Lucas, quem tem ama não te esquece
E diz no pé
Para te exaltar, oh Santo André

Nos trilhos de um progresso fascinante
A natureza encantou os imigrantes
Surgiu a indústria (ôôô)
Jorrou o ouro negro (ôôô)
Foi construído a nova era
Na “Terra Mãe” da Paulicéia
O Diário anunciou: (Gol) “é campeão”
Me enche de orgulho o meu Ramalhão
Vou comemorar até de manhã
Vai ter festa no Aramaçan
Lendas e magias de arrepiar
Num parque genial vem ver as estrelas
É espetacular, chegou a hora
Num doce sabor, vamo “simbora”
Escolas, como eu queria ver de novo
O samba que alegra o meu povo
Meu carnaval é tradição e vale ouro

Vale Encantado

Enredo 2018: Vale Encantado e seus guerreiros na transversal do tempo
Presidente: Mario Caetano
Mestre-Sala e Porta-Bandeira: Emerson e Lidiane
Carnavalesco: Alex Nascimento
Mestres de Bateria: Nadinho e Wagão
Puxadores: Estevão Jr., Adalto e Xará

Samba de Enredo
Compositores: Luciano Rosa, Ronny Potolski, Jairo Roizen, André Valencio e Sukatinha

É Ogum, o justiceiro!
Olhai por nós meu pai
Vale Encantado pede força e axé
É da vitória, vem a luz da nossa fé

Lutar… Guerreiros têm a chama imortal
De transformar batalha em conquista
Coragem de buscar um ideal
Eu vi na África, a voz da negritude
O orixá revela a atitude
A história de São Jorge e o dragão
Em Roma, um dom… a voz do “sultão”
“Honra” e “Lealdade” a nos guiar
O “mensageiro da paz” vem nos alertar

Sou o “dono dessa terra”, o meu grito vai além
A voz da minoria, por liberdade
Valeu Zumbi, o tambor vai ecoar
Por justiça de verdade

Acorda Brasil!
É hora de marcar os novos tempos
Refletir nosso momento
Das ruas, um clamor irá surgir
Hoje quero ver democracia
O samba contra a dor da tirania
Quem chorava, vai sorrir
“Nunca pare de sonhar”
Há esperança em um novo despertar
E do futuro… o que será